terça-feira, 11 de setembro de 2012

O fim do mundo no fim do ano?


No fim do ano, o fim do mundo

 Por Rui Martins, de Genebra
Tudo parece confirmar as profecias cristãs e muçulmanas do fim do mundo – o mundo vai de mal a pior anunciando a volta de Jesus, do imã escondido, do Mahdi e do Messias.
Poucas vezes tantos indícios, anunciados profeticamente por religiões diferentes, concidiram como neste fim de ano. Não só A Sentinela, dos Testemunhas de Jeová, como oApocalipse, e as profecias muçulmanas sunitas e xiitas e inclusive os bárbaros pagãos maias anunciam o fim do mundo para breve.
Para os cristãos, a anunciada próxima guerra de Israel contra o Irã irá convulsionar o Oriente Médio e provocar a III Guerra Mundial. Será o Armagedon tão temido mas paradoxalmente tão esperado pelos evangélicos, porque anunciará o retorno de Jesus Cristo à Terra e seu reinado teocrático de mil anos de paz.
Para os iranianos xiitas, a transformação da região num braseiro fará ressurgir o imã escondido, genro do profeta Maomé, desaparecido em 874. Para os sunitas, o Mahdi, o imã oculto, que terá o mesmo nome do Profeta surgirá no fim dos tempos. Como um ataque israelense ao Irã poderá ser devastador, consta que o presidente iraniano Mahamud Hamadinejad crê na profecia do retorno do imã escondido e espera mesmo ser o seu braço direito nessa batalha do fim do mundo.
Os judeus continuam esperando a chegada de seu Messias, pois rejeitaram há 2 mil anos o chamado Jesus, que anunciava o cumprimento das profecias de Isaias e de outros profetas do Velho Testamento ou Torá. Atualmente, talvez sejam os únicos a não a anunciarem para breve o surgimento do Messias. Para o hassidismo fundamentalista, o Messias voltará quando as origens das lições de vida se expandirem pelo mundo.
Nisso, há uma certa semelhança entre o hassidismo e os protestantes e as seitas adventistas, pois baseadas num versículo dos Evangelhos, creem na volta de Jesus quando o Evangelho for pregado em todo o planeta, então virá o fim com o julgamento dos vivos e mortos.
De uma maneira geral, existe uma concordância na expectativa das religiões de que quanto pior ficar a situação mundial mais perto se estará do fim do mundo – crises, catástrofes, crimes, corrupção, decadência moral, imoralidade, deboche, mais guerras e populações assassinadas, tudo isso será o sinal do fim dos tempos e do retorno de Jesus, do imã escondido ou do Mahdi e do Messias.
Depois de terem errado diversas previsões, os Testemunhas de Jeová não se arriscam mais a prever qualquer coisa e, reajustando erros passados, preferem dizer que Jesus já retormou em 1914 e está julgando o mundo.
Na verdade, a humanidade parece precisar de profecias que funcionam como válvulas de escape diante de situações difíceis, aparentemente sem escapatória.
Foi o caso da Primeira Guerra Mundial, depois da Segunda e das “guerras e rumores de guerras”, das quais a mais espetacular foi a guerra contra o Iraque, desfechadas pelos Bush pai e filho. Um dos sinais do próximo fim, teria sido o ataque islamita às Torres Gêmeas de Nova Iorque.
Em outras palavras, as profecias do Apocalipse e de tantos profetas de credos diferentes, valem tanto quanto as profecias de Nostradamus, atualmente desmoralizadas depois da chegada do Ano 2000 sem problemas.
Entretanto, nesse fenômeno das religiões e religiosos serem atraídos pela iminência da destruição do mundo e dos homens como numa grande peste da Idade Média, porém desta vez pelo fogo e bombas nucleares, ressalta esse paradoxo – os evangélicos americanos apoiam Israel por acreditarem ser um pilar da crença cristã e, no seu inconsciente, esperam o pior, ou seja, o ataque israelense ao Irã para se provocar assim a concretização da profecia do Armagedon, narrada pelo discípulo João num visão na ilha de Patmos.
Mas quase nada do que provém da mitologia religiosa e suas predições ditadas aos iluminados se realiza. E entre os fiascos mais terríveis está o acontecido em 1648, quando um rabino turco Sabattai Zevi se proclamou o Messias judeu. Alguns anos depois foi capturado pelo muçulmanos e obrigado a se converter ou a ser degolado. Sabattai Zevi frustrou todos seus fiéis preferindo continuar vivo.

Nenhum comentário: