quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Danilo de Matos, o profeta do fim do mundo da Avenida Paulista



O profeta do fim do mundo da Avenida 

Paulista

Gabriel Bonis
Há três anos ele passa boa parte de seus dias embaixo de viadutos de São Paulo. Mas há nove meses compõe a paisagem eclética do vão do Masp, na Avenida Paulista. Assim como o chão de pedras irregulares do local e as piscinas de água turva do prédio arquitetado por Lina Bo Bardi, Danilo de Matos quase nunca é notado pela multidão apressada. Seus panfletos, em geral, são recusados, enquanto os banners que prenunciam o fim dos tempos conseguem, com sorte, um rápido olhar.


O calendário maia é uma, mas não a única inspiração. O ex-motorista recorre às culturas inca e asteca, a trabalhos científicos e à Bíblia. Foto: Gabriel Bonis
Em um deles, desenhos maias e campos de trigo com geoglifos dividem espaço com um pedido a Dilma Rousseff: “Presidenta, salve-nos nas montanhas. O nosso planeta está sob ataque solar”. O prazo para o fim dos tempos seria 21 de dezembro de 2012, quando o alinhamento dos planetas da Via-Láctea despertaria uma série inimaginável de catástrofes que levariam a humanidade a uma rápida extinção. “A minha preocupação é não termos comida em cima das montanhas e as pessoas ficarem sem norte com o que vai acontecer”, profetiza com ar sereno, testa franzida.
Engana-se quem pensa que a tese apocalíptica de Matos partiu tão somente do calendário maia, em moda desde o blockbuster de Hollywood estrelado por John Cusack. Após encontrar na Bíblia sinais de que o mundo se aproximava do fim, o ex-motorista de 49 anos pediu demissão e “entrou de cabeça” nos estudos em busca de provas para sua interpretação do texto sagrado dos católicos. Encontrou eco na internet para decodificar símbolos maias e descobriu que vivemos, na verdade, em um universo paralelo. Mas sua tese consolidou-se mesmo com a junção de elementos das culturas inca e asteca, além de trabalhos de Nostradamus e físicos e químicos reconhecidos. Já embasado, concluiu que a Terra será destruída inicialmente pelo Canadá, EUA e Rússia. “Mandei um e-mail para o Obama.” Ainda não obteve resposta, embora possa ter despertado um alerta antiterrorismo na Casa Branca. Não há sinal de que Dilma tenha tomado ciência de seu pedido.
Matos é sempre solícito. Não se abala nem com as piadas de um morador de rua sobre a precisão de suas previsões. Enquanto entrega um panfleto a um artista de rua, expõe um complexo raciocínio, segundo o qual, em breve, o Sol despejará na Via-Láctea uma coroa de gás a 2 mil graus. O calor provocará a explosão do planeta Vênus e a fusão de Mercúrio ao astro luminoso, tornando-o negro para poupar a Terra de um final trágico. Como resultado da explosão seremos lançados à órbita próxima de Marte, mas sem a Lua. Pairaremos, então, no Universo sem girar. Na escuridão, a Terra será ainda atingida por dois asteroides: um no Pacífico e outro no Canadá, provocando tsunamis com dezenas de quilômetros de altura. Daí, o refúgio ideal serem as montanhas de Minas Gerais, rumo à sempre mística Brasília. “Até em São Bernardo vem água.”
É preciso estar preparado para a vida nas montanhas. Esta será a última morada dos seres humanos, um entreposto para uma transformação física e espiritual divina provocada pela liberação da massa de Vênus. “Somos clones de seres avançados que nos colocaram neste universo para nos desenvolvermos até o ponto de retornarmos ao mundo original, onde seremos sóis eternos.” Antes é necessário cuidado com os alimentos. Em meio à catástrofe desse cenário, poderemos viver apenas de sardinha em lata e mel. “Durante a modificação, que durará cinco meses, quem beber água e comer legumes vai virar pedra. É preciso alertar isso.” A explicação vem de uma passagem da Bíblia que relata Jesus Cristo, após a ressureição, se alimentando de peixes e favos de mel.
Segundo Matos, vivemos em um universo paralelo, Jesus Cristo ainda não veio à Terra e dois asteroides atingirão o planeta no Juízo Final. O primeiro país atingido será o Canadá. Foto: Gabriel Bonis
Com olhar penetrante, Matos diz que vivemos em um universo onde as coisas ainda não aconteceram, mas seres de outro tempo já sabem do nosso destino. E os maias tiveram a oportunidade de ter contato físico com tais criaturas, de quem tiraram sua fonte de conhecimento sobre o nosso planeta. A espaçonave deles permaneceria submersa no oceano, em algum lugar no México. Dos maias, o ex-motorista retorna aos sinais encontrados na Bíblia. O alinhamento é um portal indicado no Livro do Apocalipse. Logo, quando uma cruz surgir no céu no momento final, ela será Jesus a se sacrificar pelos homens. “O que está escrito na Bíblia, o sacrifício de Cristo, é uma alegoria que ainda não aconteceu.”
Ao som do intenso trânsito no entorno do Masp, o estudioso do livro milenar revela que Deus escondeu essa informação nas páginas daquela relíquia, mas não entende por que, em um mundo com 7 bilhões de indivíduos, foi o único a compreender a mensagem. “Tive que despertar antes para mostrar que vocês não estão no mundo real. Eles mandaram um mensageiro do apocalipse.”
Mesmo assim, pelo chamado divino, sua mensagem não chega a quem deveria. “Sou um alien aqui dizendo que haverá um superfuracão e tempestades solares.” O rosto marcado entristece quando lembra ter estudado desde física básica ao big-bang para buscar uma saída que salvasse seus três filhos. Avisou aos irmãos e passou a alertar os demais com os materiais produzidos com o dinheiro de sua indenização trabalhista. Acabou, porém, afastado da família. “A mente humana está em uma caverna, não vê que existem outros povos lá fora. Todos se selaram em seus mundos.”
Os seres humanos, diz, são céticos com o “absolutismo de que não vai acontecer nada”, mas garante: tudo estará provado em 21 de dezembro. Até lá, Matos não desiste da tarefa de tentar acordar seus semelhantes. “Você pensa que está em uma realidade, mas e se ela for transitória? Então, não é realidade, é ilusão.”



2 comentários:

silvio disse...

Quanta
saudade
do
profeta
Gentileza!

Marcos Riso disse...

Este cara é maluco kkk