quarta-feira, 4 de junho de 2014

A terra vai ser ocupada por seres espirituais nos dias de juízos apocalípticos.

Apocalipse: a ocupação dos seres espirituais na terra

 Por bispo Edir Macedo


Com o afastamento do Espírito Santo deste mundo,não haverá mais motivo para impedir que os juízos da Grande Tribulação se cumpram

Com respeito à invasão dos seres espirituais das trevas na Terra, não haverá um mínimo de espaço no nosso planeta que não esteja ocupado pelos demônios.
E quais serão, então, as consequências desta ocupação infernal na Terra? Bem, nós já podemos ter uma vaga ideia disso observando a situação atual. Em todas as nações do mundo, especialmente nas grandes metrópoles, onde o ajuntamento de pessoas está concentrado, vê-se o princípio do caos.

Os valores morais da família estão despencando para a imoralidade e o desrespeito. Se um número incontável de pais tem abusado sexualmente dos próprios filhos, ainda na idade da inocência, o que, então, acontece fora do teto familiar?

Somam-se a isso o intenso consumo de drogas, incluindo as bebidas alcoólicas; jogos de azar; prostituição; homossexualismo; adultério; roubo; homicídios; enfim, todos os tipos de violência e corrupção do gênero humano.

E tudo isso sob a direção de apenas algumas legiões de demônios! Imagine quando todo o inferno estiver ocupando a Terra! Não sabemos definir exatamente o que era a sociedade antes do dilúvio, senão a resumida informação dada pela Bíblia, e as palavras do Senhor Jesus Se referindo àquele período:

"Viu o Senhor que a maldade do homem se havia multiplicado na terra e que era continuamente mau todo desígnio do seu coração; então, se arrependeu o Senhor de ter feito o homem na terra, e isso lhe pesou no coração. Disse o Senhor: Farei desaparecer da face da terra o homem que criei, o homem e o animal, os répteis e as aves dos céus; porque me arrependo de os haver feito. Porém Noé achou graça diante do Senhor. Eis a história de Noé. Noé era homem justo e íntegro entre os seus contemporâneos; Noé andava com Deus. Gerou três filhos: Sem, Cam e Jafé. A terra estava corrompida à vista de Deus e cheia de violência. Viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque todo ser vivente havia corrompido o seu caminho na terra." Gênesis 6.5-12

"Pois assim como foi nos dias de Noé, também será a vinda do Filho do Homem. Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, senão quando veio o dilúvio e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do Homem." Mateus 24.37-39

Não cremos que aqueles dias tenham sido piores que os de hoje. Muito pelo contrário! Os dias atuais são muito mais avessos a Deus do que aqueles dias, quando veio o dilúvio.

Imagine, então, o que virá sobre este mundo tenebroso! Mas Deus, na Sua paciência e compaixão, tem aturado toda a perversidade humana por causa dos Seus eleitos, que ainda habitam na Terra.
Porém, com o afastamento do Espírito Santo deste mundo e o arrebatamento da Igreja, já não haverá mais motivo para impedir que os juízos da Grande Tribulação se cumpram.

Qualquer pessoa que compara os acontecimentos atuais com as Sagradas Escrituras chega logo à conclusão de que o Senhor Jesus está às portas, pois nunca se viu tanta promiscuidade, tanta sujeira, tanta corrupção, tanta violência.

O sentido moral e espiritual de família já se deteriorou de tal maneira que o certo e o errado são confundidos na sociedade mundana. E a degradação moral da sociedade é apenas o reflexo da espiritual, já que a imoralidade também é acentuada dentro da própria Igreja que se diz cristã.

E o caráter corrupto da suposta Igreja cristã tem colaborado para reforçar a promiscuidade fora dela. Sobre isto o salmista lamentou, dizendo:

"Ó Deus, as nações invadiram a tua herança, profanaram o teu santo templo, reduziram Jerusalém a um montão de ruínas. Deram os cadáveres dos teus servos por cibo às aves dos céus e a carne dos teus santos, às feras da terra. Derramaram como água o sangue deles ao redor de Jerusalém, e não houve quem lhes desse sepultura." Salmos 79.1-3

Mas graças a Deus que o ressurgimento da nação de Israel, em 1948, foi o primeiro grande sinal da volta do nosso Senhor, conforme Ele mesmo disse:

"Aprendei, pois, a parábola da figueira: quando já os seus ramos se renovam e as folhas brotam, sabeis que está próximo o verão. Assim também vós: quando virdes todas estas coisas, sabei que está próximo, às portas." Mateus 24.32,33

O que é a figueira senão o símbolo do povo de Israel? O profeta Oséias disse: "Achei a Israel como uvas no deserto, vi a vossos pais como as primícias da figueira nova." (Oséias 9.10).

Na parábola da figueira o Senhor Jesus faz menção clara de que o "verão", ou seja, o calor do juízo de Deus, está próximo, pois o assunto do qual Ele estava tratando se referia à Grande Tribulação.

Sim, esta Terra vai pegar fogo e toda a luxúria, a opulência e o engano da Babilônia religiosa, política e econômica estão com os seus dias contados.

Verifica-se, neste capítulo 18 do Apocalipse, que nenhum detalhe foi esquecido. Daí a razão por que o apóstolo João escreveu:

"Ouvi outra voz do céu, dizendo: Retirai-vos dela, povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos; porque os seus pecados se acumularam até ao céu, e Deus se lembrou dos atos iníquos que ela praticou." Apocalipse 18.4,5

Não podemos e nem devemos omitir ou passar de largo diante desta advertência profética. É preciso que haja um exame honesto e sincero do nosso coração, para verificarmos se ele tem parte com este mundo religioso babilônico.
(*) Trecho retirado do livro "Estudo do Apocalipse", do 

Nenhum comentário: