sábado, 19 de maio de 2012

"Procurem Abrigo" - Cinema para o fim do mundo.

Cinema para o fim do mundo

Procurem Abrigo - Trailer Legendado


Enviado por em 27/02/2012
NOS CINEMAS A 15 DE MARÇO
Cinema para o fim do mundo - Depois de "Histórias de Caçadeira", Jeff Nichols volta a surpreender com "Procurem Abrigo": em cena está uma América profunda em confronto com a sua própria desagregação simbólica.
À espera do apocalipse, ou uma América confrontada com o fim da mitologia clássica da família

Crítica de João Lopes
Subscrição das suas críticas
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 
Cinema para o fim do mundoProcurem Abrigo Curtis LaForche (Michael Shannon) é um jovem pai que vive atormentado por visões apocalípticas. Na sua pequena cidade no Ohio, onde vive com a filha e com a mulher, Samantha (Jessica Chastain), Curtis decide construir um abrigo para os proteger de uma possível e terrível tempestade. Inicialmente guarda esta obsessão para si, mas a sua perturbação começa a tornar-se evidente e o seu comportamento ...

Jeff Nichols (33 anos, nascido em Little Rock, Arkansas) é mesmo um original. Um filme, "Shotgun Stories/Histórias de Caçadeira" (2007), bastou para o definir como um caso à parte no interior da produção independente americana.

Agora, tem já a sua terceira longa-metragem, "Mud", na competição de Cannes. Pelo meio, em 2011, também em Cannes, venceu a Semana da Crítica com esse filme incrível (finalmente nas salas portuguesas) que dá pelo nome de "Take Shelter/Procurem Abrigo".

Para não simplificarmos demasiado as coisas, digamos que aquilo que está em jogo é nada mais nada menos que o fim do mundo. Algures, numa terrinha esquecida do Ohio, um pai de família (Michael Shannon) vai observando com crescente apreensão alguns sinais (chuvas ácidas, nuvens ameaçadoras, etc.) que interpreta como irremediavelmente apocalípticos... a ponto de construir no jardim de sua casa um abrigo para se refugiar com a mulher (Jessica Chastain) e a filha (Tova Stewart).

O que está realmente a acontecer pode ter fortes relações com sinais de esquizofrenia do próprio pai. Aliás, a personagem é tanto mais trágica quanto pressente esses sinais... Em todo o caso, este não é exactamente um "retrato psicológico", mas sim uma saga em que o cinema começa no espaço familiar para desembocar numa dimensão cósmica em que todos os contornos do real se tornam incertos, fluidos e indecifráveis.

Jeff Nichols propõe, assim, uma espécie de realismo surreal em que o feitiço se vira contra o feiticeiro, vazendo-nos vacilar face à instabilidade simbólica do mundo. Certamente não por acaso, o filme pode também ser visto como uma actualização do modelo do clássico drama familiar ("fordiano", por exemplo), agora transfigurado em território de inquietante desconhecimento.

No limite, "Procurem Abrigo" é uma parábola sobre uma América profunda que já não se pode refugiar na mitologia clássica da família. Tempos difíceis e um cinema à altura das suas dificuldades.

Crítica de João Lopes

Nenhum comentário: