sexta-feira, 22 de agosto de 2014

EBOLA: 75.000 PESSOAS PRESAS EM QUARENTENA. IRMÃO NÃO É FILME DE FICÇÃO É O atual surto de Ebola QUE já matou 1.350 pessoas, É OU NÃO É SINAL DO FIM DOS TEMPOS?


O atual surto de Ebola já matou 1.350 pessoas 
Crédito ao Blog Verdades especiais

Os moradores da Libéria estão em choque com policiais, que isolaram toda a favela de West Point na capital Monrovia, e seus 75 mil habitantes. 

O número total de mortes Ebola disparou para 1350 na quarta-feira, com o número de casos mais rápido na Libéria, que agora tem pelo menos 576 mortos confirmados do vírus, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Na quarta-feira, a agência de saúde da ONU também alertou que "estes países estão começando a experimentar escassez de recursos, incluindo combustível, alimentos e suprimentos básicos."

Vírus Ebola é transmitido através do sangue e de outros líquidos, e cerca de 2.500 pessoas receberam diagnósticos na Libéria, Guiné, Serra Leoa e Nigéria desde o surto começou em fevereiro. A OMS informou sinais encorajadores de que o surto tinha abrandado na Guiné e que a Nigéria tinha conseguido conter a doença a cerca de uma dezena de casos, com apenas cinco mortes até agora. 

A Presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf ordenou quarentena nas áreas de Monrovia.
No bloqueio dos bairros, segue-se relatos de cadáveres sendo despejados nas ruas da capital. Além disso, muitos liberianos continuam a duvidar da existência de Ebola e as medidas de prevenção tomadas em consideração, disse Johnson Sirleaf.

"Tornou-se necessário impor sanções adicionais para conter a disseminação global e, particularmente, nas áreas de intensidade", disse Johnson Sirleaf na terça-feira. "Nós temos sido incapazes de controlar a propagação devido a recusas continuadas, práticas culturais, desrespeito pelo conselho de trabalhadores da saúde e desrespeito pelas advertências por parte do governo", acrescentou.

Até 30.000 pessoas teriam exigido drogas Ebola no surto atual até agora, de acordo com uma tentativa científica para quantificar a demanda por um tratamento e vacina, publicado quarta-feira na revista Nature. Não existem medicamentos aprovados para o tratamento do vírus, embora vários ainda estão sendo definidas. Na semana passada, a OMS deu luz verde para medicamentos experimentais para lutar contra Ebola.

"Essa demanda é provável que seja maior do que muitas pessoas imaginam", epidemiologista Oliver Brady de University of Oxford que escreveu no artigo da Nature, destinado a ajudar os fabricantes e reguladores de medicamentos determinar a demanda potencial. "Por exemplo, a nossa análise sugere que, mesmo em um cenário conservador, até 30.000 pessoas teriam agora mesmo necessidade de tratamento ou profilaxia no surto atual." 

O pior é que nós estamos encontrando necessidade em recorrer a medidas medievais de controle de pragas nestes tempo moderno.


Quando os aldeões notam que um parente ou amigo adoecer, a pessoa é escondida em vez de ser levada para instalações de confinamento, que são vistos como necrotérios. 


"Estamos sendo atendidos com alta resistência - às vezes as pessoas dizem que os trabalhadores de saúde estão trazendo Ebola em comunidades", diz o Ministro Adjunto da Saúde Tolbert Nyenswah da Libéria. Ele descreve uma situação recente em que as autoridades de saúde da Libéria tiveram de bater em retirada depois que as pessoas suspeitos de esconder familiares doentes atiraram pedras contra eles.


De acordo com Nyenswah, crença rural em juju - a magia - também está a contribuir para os desafios funcionários enfrentam. "Algumas pessoas acreditam que há uma maldição que está causando o problema, e que não há nada chamado Ebola."

Krakue concorda. "As pessoas não sabem o que é a doença, e eles preferem ir para os curandeiros tradicionais", diz ele. "Eles sentem que eles foram enfeitiçados." 


Forças especiais acompanham médicos na favela isolada

Policiais atrás de barricadas de móveis posto pela população

Pessoas são impedidas de sair da favela pelas Forças Armadas, mesmo para ir ao trabalho


Cadáveres são enterrados desesperadamente por familiares em qualquer lugar, com medo que a doença se espalhe

Policiais e agentes de saúde tentam acalmar a população
Policiais tentam dispersar a multidão

Em diversos locais, as forças armadas mantém bloqueios, para impedir que a doença se espalhe

Muitas pessoas são lançados na rua, por medo que infecte as residências 

O Exército, a Polícia e os Bombeiros indo para a favela cumprir a quarentena

No inicio da quarentena foi declarado toque de recolher e o Exército foi levado a disparar para dispersar a multidão
É possível encontrar doentes em situação gravíssima, agonizando na rua (imagem com censuras)

Crianças com suspeita de ebola, sendo tratada do lado de fora da casa, com papelão para não passar frio a noite
Viela de esgoto que corre da favela para o mar pode ser mais um ponto de difusão do vírus, por meio de lixo contaminado
Recomendações

Devemos começar a estocar suprimentos de comida, água e necessidades diárias, caso um virus deste nos atinja?

Estocando material de longa duração como arroz, macarrão, molho de tomate, carne picada, carne enlatada parece prático. 

Mas também precisa de um bunker subterrâneo para sobreviver as semanas de loucura, bem como desinfetante em caso de alguma coisa ficou contaminada.

O mais assustador seria se isso começou a espalhar nas cidades antes que as pessoas sabiam que estavam infectadas. Mas então o que acontece se eles sabem que estão infectados, e eles têm uma semana ou mais antes que tombem, como um papagaio morto?

Não há nada para impedi-los de ir em um ataque de fúria, e atacando e infectando outras pessoas, como em um apocalipse zumbi.

Considerando o problema e a forma que está se desenvolvendo, as favelas são os principais focos onde o Ebola pode atacar com severidade, graças a combinação alta demografia + esgoto a céu aberto + crendices e curandeirismo + pobreza e ausência de dinheiro para medidas básicas de saúde + protestos liderados movimentos sociais de viés político.

Nenhum comentário: