sábado, 25 de junho de 2016

BRASIL FICARÁ SEM ESTOQUE DE ARROZ E FEIJÃO EM UMA SEMANA?

FALTA DE ALIMENTO: Canal Rural e Jornal Hoje falam da mesma coisa de modo diferente. 
Canal Rural falou dia 16/06/16 que teríamos estoques de Arroz e Feijão pra 7 dias. Passados 6 dias, o jornal hoje fala que o governo TEMER vai importar feijão. Coincidência? NÃO! Sobre o clima alegado nas reportagens, eu comentei ainda em 8 de outubro de 2015 que isso ia acontecer e falei como fariam isso.


 Fonte:  Elias Smith


Fonte: O ALQUIMISTALinks das matérias:
Jornal Hoje
http://g1.globo.com/economia/agronego...
Canal Rural
http://www.canalrural.com.br/videos/m...
Meu facebook
https://www.facebook.com/elias.midia

Sete de 10 brasileiros consomem feijão todos os dias. O alimento símbolo da cultura nacional está escasso no país e para conter a crise de desabastecimento do feijão carioca o governo tangencia o problema e diz que a solução é importar o produto que, inclusive, não é produzido fora do Brasil.

“O que estamos fazendo com as grandes redes é que eles possam buscar na América esse feijão para quebrar esse monopólio ou coisa parecida do feijão no Brasil”, afirmou o ministro da Agricultura, Blairo Maggi.

A declaração soou estranha para especialistas, que lembram: o Brasil não tem barreiras de importação para feijão do Mercosul, o Brasil não tem monopólio para ser quebrado no mercado de feijão que deve contar com pelo menos 3 mil marcas diferentes no país segundo estimativas de corretoras, e o Brasil não tem como importar feijão carioca porque essa é um variedade produzida só aqui. Então o preço do feijão carioca pode cair com as medidas enfatizadas pelo governo? Parece que na prática não vai ser tão simples assim para derrubar o preço.

“Estão autorizando a importação de uma coisa que não existe para importar. A medida não vai funcionar, mesmo que zerem tarifas não tem como abastecer o mercado de feijão carioca porque não está faltando feijão preto, mas feijão carioca”, critica o analista de mercado, Carlos Cogo.

O Ministro da Agricultura foi um pouco além do Mercosul e disse:

“Nós vamos retirar os impostos e taxas que são cobradas da importação de outros lugares Que lugares? Pode ser da China e do México e pode ser de outros países também. A sinalização para o abastecimento e redução dos preços é autorizar a importação sem taxas também de outros países que não sejam do Mercosul. Do feijão é isso que temos a dizer”, finalizou Maggi.

Para o analista de mercado de feijão da Correpar Corretora, Marcelo Lüders, a medida do governo foi marketing político para amenizar o problema sem resolver a crise de abastecimento de carioca no país.

“A medida tem o caráter de dar uma satisfação para a população. Hoje o setor do feijão está abandonado pelo governo. A gente precisa amenizar a crise do feijão carioca com o feijão preto. Para trazer feijão do México hoje é preciso que seja retirada a barreira fitosanitária que existe. E mais, assim que o mercado souber o que o Brasil – um dos maiores consumidores de feijão do mundo- vai precisar importar feijão é possível que o preço suba na China e no México”, esclarece.

Os especialistas avaliam que os preços do feijão carioca podem ser levemente afetados pela notícia de aumento de importação de feijão preto, mas o cenário de firmeza nas cotações ao produtor deve continuar pelo menos até a entrada da próxima safra brasileira, inclusive que está sob risco de geada que pode afetar a produtividade – alertam consultores.

A crise de desabastecimento de feijão e os altos preços provocaram uma forte mobilização na rede social Twitter nesta quarta-feira, quando consumidores usaram a frase #TemerBaixaoPreçodoFeijãopedindo medidas do governo para reduzir o custo do alimento. A hashtag entrou para a lista dos assuntos mais comentados do dia e o tema virou piada por conta do alto preço, que já subiu quase 40% este ano.

Em meio a tantas piadas, dizer que o país do feijão vai importar feijão pode parecer mais uma, mas não é. Teremos que apelar até para a China, porque o Brasil da agricultura ainda tem muito para aprender sobre gestão e planejamento, temas tão caros aos consumidores e também aos produtores rurais.

http://blogs.canalrural.com.br/kellen...


Um comentário:

Carlos r araujo disse...

A Dilma doou 625 toneladas de feijão para cuba, de quem e a culpa.

Seja uma "voz que clama no deserto"! Ajude o Blog alertar o mundo sobre a volta de Jesus.

Preparai o caminho de Yeshua

O Evangelho de Marcos começa assim:
Eis que eu envio o meu mensageiro diante de ti a fim de preparar o teu caminho; voz do que clama no deserto: preparai o caminho do senhor, tornai retas suas veredas.
João Batista esteve no deserto proclamando um batismo de arrependimento para a remissão dos pecados.

Isaías, 40,3 diz:"

Uma voz clama: "No deserto, abri um caminho para Iahweh; na estepe, aplainai uma vereda para o nosso Deus".

Malaquias 3,1:
Eis que enviarei o meu mensageiro para que prepare um caminho diante de mim.

1- Compartilhe nas redes sociais:
Cliq nos botões coloridos acima.

2- Deposite um valor que seu coração mandar:

2 Reais. 5 Reais, 10 Reais ou 20 Reais.

Se preferir pode mandar o comprovante de depósito via Emai

abaixo, para que eu possa agradecer.

José Antenor Somokovitz

Caixa Econômica Federal
conta Número 00009304-4
Agencia: 0377
Operação: 013
Doação de 50.00 Reais ou mais, recebera dentro de um mês, via correio do Brasil um brinde em agradecimento:
um aromatizador de ambiente splay 120 Ml, com essências bíblicas, (nardo, mirra, balsamo,etc.), para perfumar seu carro, casa, escritório etc.
Doação de 100.00 reais ou mais, recebera duas essências.
Basta enviar o comprovante de depósito (foto) e o seu endereço
residencial ou comercial neste Email: so.aromas@gmail.com